A Viúva De Sarepta

Permita-me “atrapalhar” sua leitura apenas por alguns segundos: Você quer se aprofundar ainda mais no conhecimento da palavra de Deus, pregando a palavra de Deus com mais autoridade e conhecimento, levando a mensagem de esperança e salvação das escrituras ao próximo, se preparando e se qualificando para a obra de Deus e o MELHOR obter Certificado por uma instituição de qualidade, tudo isso aí no conforto da sua casa. Se SIM Clique Aqui >>

A Viúva de Sarepta

Então, veio a ele a palavra do SENHOR, dizendo: Levanta-te, e vai a Sarepta, que é de Sidom, e habita ali; eis que eu ordenei ali a uma mulher viúva que te sustente. Então, ele se levantou e se foi a Sarepta; e, chegando à porta da cidade, eis que estava ali uma mulher viúva apanhando lenha; e ele a chamou e lhe disse: Traze-me, peço-te, numa vasilha um pouco de água que beba. E, indo ela a buscá-la, ele a chamou e lhe disse: Traze-me, agora, também um bocado de pão na tua mão. Porém ela disse: Vive o SENHOR, teu Deus, que nem um bolo tenho, senão somente um punhado de farinha numa panela e um pouco de azeite numa botija; e, vês aqui, apanhei dois cavacos e vou prepará-lo para mim e para o meu filho, para que o comamos e morramos. E Elias lhe disse: Não temas; vai e faze conforme a tua palavra; porém faze disso primeiro para mim um bolo pequeno e traze-mo para fora; depois, farás para ti e para teu filho. Porque assim diz o SENHOR, Deus de Israel: A farinha da panela não se acabará, e o azeite da botija não faltará, até ao dia em que o SENHOR dê chuva sobre a terra. E foi ela e fez conforme a palavra de Elias; e assim comeu ela, e ele, e a sua casa muitos dias. Da panela a farinha se não acabou, e da botija o azeite não faltou, conforme a palavra do SENHOR, que falara pelo ministério de Elias. (1 Rs 17.8-16)

A PROVISÃO DE DEUS PARA OS SEUS MINISTROS

Deus cuida daqueles que chama para fazer a sua obra. O nosso sustento vem do Senhor.
Elias foi sustentado em tempos de crise, por aquele que não conhece crise, pois todas as coisas lhe pertencem:
[Salmo de Davi] Do SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam. (Sl 24.1)
Minha é a prata, meu é o ouro, diz o SENHOR dos Exércitos. (Ag 2.8)

Quando estamos na direção de Deus ele nos provê de maneira sobrenatural, agindo da forma que menos imaginamos. Deus mobilizou a criação e a natureza em favor de Elias através do serviço de corvos e das águas de um riacho (1 Rs 17.1-7). A criação obedece ao criador. Ele faz jumenta repreender profeta (Nm 22.25-30) e grandes peixes de salva-vidas e guias para os tais (Jn 1.17).

É Deus quem soberanamente domina e controla as forças da natureza. Ele é poderoso para provocar tempestades (Jn 1.4, 13), acalmar a sua fúria (Jn 1.15; Mt 8.23-27; Mc 4.35-41; Lc 8.22-25) e para intervir em seu curso natural (Êx 14.21-22; Js3.14-17; 2 Rs 2.8, 14). O Senhor é soberano sobre a natureza para fazer chover (Dt 28.12; 1Rs 18.41-45) ou para provocar estiagens (Dt 28.24; 1 Rs 17.1; 2 Cr 7.13).

Haverá sempre uma provisão do Senhor em cada etapa do ministério daqueles a quem ele vocaciona e comissiona. Sarepta seria o lugar de onde viria a próxima provisão de Deus para Elias, e através de quem ele menos poderia esperar.

A VIÚVA DE SAREPTA
»⇒

– O princípio da obediência (v. 8-9): Não importa para onde o Senhor nos envie, devemos obedecê-lo e crer que ele já providenciou nosso sustento. Nos dias atuais, por muitos, a direção de Deus não é mais buscada ou obedecida, pois o que prevalece é a racionalização de que os melhores e grandes lugares (cidades, igrejas, etc.) é que garantirão um viver confortável, e a possibilidade de prosperidade material. Na realidade, esta é uma visão distorcida de ministério. O lugar da bênção de Deus sobre a nossa vida é aquele para onde ele nos envia.

– O princípio do anonimato (v. 9): “Ordenei a uma mulher viúva”. No Reino de Deus não é o tanto quanto aparecemos ou deixamos de aparecer que qualifica a nossa vida e ministério, mas a motivação com a qual realizamos a obra de Deus. A Bíblia e a história são repletas de anônimos que certamente terão seu galardão, e o reconhecimento de seu serviço na eternidade, concedidos pelas mãos daquele que é justo e verdadeiro (Ap 22.12). Além da mulher viúva, podemos citar como exemplo de anônimos a menina israelita que serviu na casa do grande general Sírio Namã (II Reis 5:1-6), as mulheres que doaram seus espelhos quando da confecção da pia de cobre do Tabernáculo em pleno deserto (Êxodo 30:17-21), profetas cujos nomes não são mencionados (1 Rs 13; 20.13-30), os quatro leprosos no episódio do terrível cerco da cidade de Samaria (II Reis7:3-11), a mãe de Rufo (Rm 16.13), os crentes da família de Narciso (Rm 16.11), os irmãos que estavam com Asíncrito, Fleonge, Hermas, Pátrobas e Hermes (Rm 16.14), os santos que estavam com Filólogos, Júlia, Olimpas e a irmã de Nereu (Rm 16. 15).

– O princípio da hospitalidade (v. 10-12): Elias pediu que a viúva lhe trouxesse água, e ela se prontificou em atender o profeta. Ainda nos dias de hoje há pessoas hospitaleiras, que sentem prazer em servir, mesmo quando os recursos são escassos, e quando não há muito conforto a oferecer. A expressão da viúva no v. 12 é bastante natural, pois fala de sua preocupação na condição de mãe, além de informar ao profeta que não tinha tanto quanto gostaria de ter para atendê-lo melhor.

– O princípio da generosa semeadura (v. 13): Os recursos de Deus são sementes. Pouco ou muito, são sementes. Deus em graça nos concede “sementes”. Sementes são recursos espirituais e materiais que o Senhor nos confia para realizarmos uma boa semeadura. Quando semearmos de maneira errada, com certeza passaremos por dificuldades e escassez. Um texto bíblico que nos mostra claramente como funciona a lei da semeadura e da colheita é 2 Coríntios 9.6-11. De que forma os princípios envolvidos na lei da semeadura e da colheita foram vivenciados no encontro de Elias com a viúva de Sarepta?

Em primeiro lugar, a semeadura é feita no campo, na roça ou no terreno do outro (daquele que necessita da semente), no caso aqui, a pouca semente que a viúva tinha deveria ser primeiro semeada na vida do profeta.

Em segundo lugar, semeamos nas outras vidas, mas colhemos em nós mesmos. Nossa colheita é proporcional a nossa semeadura. Apesar de ter semeado pouco, a viúva semeou do seu tudo, ou seja, proporcionalmente foi muito. Temos aqui um caso semelhante ao da oferta da viúva pobre (Mc 12.41-44).

Em terceiro lugar, a semeadura deve ser regada pela alegria e liberalidade. Não há sinal algum no texto de que a viúva contribuiu constrangida pelo profeta. Atualmente, há uma diversidade de ações constrangedoras e manipuladoras por parte de alguns “profetas”, que visam a todo o custo arrancarem ofertas de viúvas necessitadas, apelando para toda a sorte de artifícios. Elias não “apelou”, simplesmente transmitiu a mensagem de Deus com objetividade e clareza. A viúva entendeu a mensagem e obedeceu.

Em quarto lugar, a semeadura faz com que Deus nos dê em tudo toda suficiência, em todo o tempo, para superabundarmos (medida excedente) em toda a boa obra. A nossa generosidade em semear fará com que Deus multiplique o nosso bom depósito, multiplicando com isso as sementes em nós e a semeadura por nós. O nosso enriquecimento espiritual e material terá sempre como objetivo a prática da generosidade, da liberalidade em socorrer, ajudar, contribuir, compartilhar (gr. haplotes). A viúva de Sarepta teve uma colheita abundante, que supriu a necessidade do profeta, dela e do seu filho por muitos dias.

⇓COMPARTILHE COM SEUS AMIGO⇓

Quer receber estudos bíblicos GRÁTIS em seu E-mail?